quarta-feira, 11 de março de 2020

Relação entre Pets e educação



O ramo da educação passou e passa por muitas mudanças, seja na estrutura, métodos de ensino, grades e até mesmo na questão de influenciar os comportamentos, visões culturais e entre outros. Porém algumas instituições de ensino, vão além das grade estrutural, procuram ter um diferencial, onde os alunos entram em contato com plantas, flores e até mesmo os pets.

Os animais, vem ganhando espaço não apenas em escolas, mas também em tratamentos médicos, visitas em hospitais, asilos, orfanatos, escolas militares e até mesmo em ambiente de trabalho. Segundo algumas instituições de ensino, esse método é adotado como ferramenta pedagógica e estimula o respeito ao meio ambiente, desenvolve o senso de responsabilidade e até mesmo na adoção de hábitos alimentares mais saudáveis. Na fazendinha da escola infantil Arara Azul, em Brasília -DF (ESCOLA AZUL), de acordo com o jornal Correio Braziliense, as crianças têm contato com pôneis, mini vacas (qual eles mesmos tiram leite delas), pavão, jabuti, galinhas e também da arara- azul (mascote do local).

Michelli Domingos, coordenadora pedagógica da escola, em uma entrevista cedida ao jornal Correio Braziliense, alega que as crianças passam a ver a natureza de uma maneira diferente, além livro. “ A criança passa a estabelecer o respeito, na relação entre homem x animal. O cuidar da natureza só se inicia quando o aluno convive com isso.” Diz, Michelli.

Já a neuropsicóloga e especialista em terapia cognitiva, Renata Fernandes, acredita que esse tipo de atividade traz benefícios para os pequenos, seja na questão de autoestima, quanto em assumir mais responsabilidades. “ Além de estimular a fala, estabelece vínculos terapêuticos e fortalece também o desenvolvimento sensorial.” Afirma, Renata.

A escola, La Salles Águas Claras, (Brasília- DF), também tem uma fazendinha (La salles), lá os alunos, fazem visitas semanalmente e ainda tem contato com os animais como os coelhos, porcos, avestruz e ovelhas. Segundo o supervisor e agropecuário, Pedro Eloi Welter, as crianças preferem os coelhos, por serem menores e mais afetuosos. “ Todos amam, os orelhudos, porque são mais carinhosos e fáceis de se adaptar.” Explica, Welter.

Daniela Mauricio de Almeida, coordenadora da instituição do ensino infantil, alega, que o contato entre as crianças e os animais, elas (as crianças) passam a entender que fazem parte da biodiversidade e aprende a necessidade de preservação. “ Toda semana, eles têm esse contato, mas antes das visitas, eles também aprendem nas salas de aula a teoria, para estarem mais preparados para esse contato, e eles aprendem muito rápido.” Relata, Daniela. No Colégio PM (do grupo Cruz Azul), existe o Projeto Pet do Colégio PM

(CRUZ AZUL COLEGIO), Unidade Vila Talarico - São Paulo, os animais vão ao ambiente escolar (disponíveis para cuidados e interações em horário de intervalo), para interagirem com as crianças. A iniciativa, começou em 2017, antes com apenas dois aquários, um de água doce e outro de água salgada, com o tempo o projeto ganhou notoriedade, e moradores da região, doou ao projeto, hamsters, esquilo da magnólia, porquinho da índia e coelhos. E para o projeto interdisciplinar, foram comprados gafanhotos, larvas de besouros e baratas mexicanas.

Os animais também participam das atividades pedagógicas, com conteúdos pertinentes e eventualmente visitam os alunos da educação infantil e do período integral.

* Curiosidade: O projeto, também dá a oportunidade de adoção consciente dos animais, mediante ao comprometimento do cuidado adequado a cada Pet, considerando seus hábitos e necessidades. Graças a esse projeto, 20 animais de pequeno porte, foram adotados, sendo 11 acolhidos por alunos e ex-alunos, 7 por colaboradores (inclusive terceirizados) e dois pela comunidade em torno.

Segundo o trabalho de conclusão de curso de (EDUCERE), Ana Laura Diniz Furlan; Flávia Roberta Amend Gabardo e Marta Luciene Fischer o autor Molento Broom, 2004 , novos paradigmas éticos demandam a promoção e o bem-estar dos animais que são mantidos em cativeiro sob a tutela de um humano, tais como animais de experimentação, expostos em zoológicos, de produção, entretenimento e companhia.

Os animais para finalidade didática, tanto em universidades quanto em escolas, tem por objetivo proporcionar ao aluno o conhecimento da biologia, ao demonstrar o funcionamento do corpo, e o conhecimento de caracteres morfológicos.

Atualmente, a vivissecção (ato de dissecar um animal vivo para realizar estudos de anatomia-fisiológica) tem sido substituída com sucesso por métodos alternativos na maioria dos cursos superiores, sendo proibida em ensinos fundamental e médio (lei 11.794).

Portanto, a consciência ambiental deve extrapolar os conteúdos trabalhados em sala de aula, despertando no aluno se reconhecer como parte integrante da natureza (MORRIS, 1990), e consequentemente respeitando-a em todas as nuances (diferenças sutis) pelo simples fato, de todos possuírem vida (SINGER, 2004).

Não basta apenas usar o animal, seja ele de grande ou pequeno porte, apenas na inclusão de um projeto pedagógico. As instituições aqui, citada, neste artigo, visam também o bem estar do animal. Elas contam também com o manuseio correto, de cada um deles, cuidados veterinários e também um habitat onde os animais se sintam confortáveis e seguros. A fim de que não haja o maltrato.

Para saber se a instituição de ensino oferece esse tipo de serviço, peça para ver o cronograma de estudo.

Colunista Aplitech Foundation
Geane Neves 
Pós- graduanda em Comunicação em Redes Sociais, Universidade Anhembi Morumbi (UAM) .MBA em Jornalismo Empresarial e Assessoria de Imprensa, Universidade Estácio de Sá (UNESA). Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, Universidade São Marcos (USM). Paulista, apaixonada por informação.

Aplitech ADM

Autor

Fique de olho nas novidades.

0 comentários:

Postar um comentário