Escute o conteudo

sábado, 30 de novembro de 2019

Educação e sustentabilidade



O Brasil é o 7o colocado no ranking da economia mundial, acima dele, estão EUA (em 1o
lugar), China (em 2o), Japão (3o), Alemanha (4o), França (5o) e Reino Unido (6o). Porém, no
ranking global do desenvolvimento humano, ocupa a posição 75o. Mostra assim, a grande
diferença no desenvolvimento econômico e social.

Através desses dados, vemos, que o nosso país, necessita de uma educação diferenciada para o crescimento dele. Já que cerca de 11,3 milhões de brasileiros são analfabetos (não sabem ler e nem escrever), uma média de 6,8% (acima dos 15 anos de idade). A grande maioria das pessoas que não sabem ler e nem escrever, são mulheres.

Mesmo com vários programas de incentivo e bolsas de estudo, ainda assim, o acesso a
escola, aqui (no Brasil) bem restrito. Porém, a boa notícia, é que com o tempo, esse quadro
vem mudando para melhor, em várias regiões do país.

E com a ajuda da educação, a sustentabilidade brasileira, também tenderá a ser mais
efetiva. Tanto na separação do lixo, quanto na utilização da energia elétrica e também da
água, além da reutilização do papel. As escolas também podem implementar em seus projetos as hortas comunitárias (de uso coletivo) e hidropônicas (plantas submersas nas águas).

A educação para o desenvolvimento sustentável (ESD) contribui para que as pessoas mudem seus hábitos e pensamentos, ajudando não apenas aquele bairro, mas também na preservação da Terra.

A EDS inclui questões-chaves sobre o desenvolvimento sustentável no ensino e na aprendizagem. Onde pessoas de diversas faixas etárias e econômicas podem participar. Trata da complexidade e do interrelacionamento de problemas, como por exemplo, pobreza, consumo predatório (agressivo), degradação ambiental, deterioração urbana, saúde, conflitos e violação dos direitos humanos, tudo que hoje, ameaçam o nosso futuro. Além disso, o EDS, também conta com métodos participativos de ensino e aprendizagem, a fim de empoderar e motivar os estudantes, para mudarem seus comportamentos e atitudes e contribuírem com o desenvolvimento sustentável.

A educação ambiental promove o pensamento crítico, reflexões sobre os futuros cenários e tomadas de decisões colaborativas.

A UNESCO (agência líder da ONU), visa melhorar o acesso à educação de qualidade para o desenvolvimento sustentável em todos os níveis e em todos os contextos sociais. Para assim, transformar e reorientar a sociedade e a educação (educação ambiental), ajudando nos conhecimentos, habilidades, e valores das pessoas.

Nesses estudos, são incluídos também questões de desastres naturais, mudanças climáticas e a biodiversidade. O aluno, como indivíduo, se torna responsável, resolve o desafio, respeitando a diversidade cultural, além de contribuir para o desenvolvimento sustentável. Estudos que é ligado ao Programa de Ação Global (Global Action Programme - GAP) da EDS.

O GAP concentra na geração e na ampliação de ações, voltadas á cinco áreas proprietárias: impulsionar políticas, transformar ambientes de aprendizagem e de formação; capacitar educadores e formadores; mobilizar e capacitar jovens; e fomentar (fins curativos) soluções sustentáveis no âmbito local.

No site da UNESCO (https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000229737) está diponível o curso online de EDS, para professores.

É necessário saber, que para ser sustentável não basta apenas ser ecologicamente correto, tem que ser também economicamente viável, socialmente justo e culturalmente diverso. No Brasil, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) - documento que determina as áreas de aprendizagem essenciais na educação básica - orienta a abordagem da sustentabilidade de maneira transversal, ou seja, recomenda que as instituições abordam do desenvolvimento sustentável em diversos momentos e matérias.

Uma atitude sustentável, não tem apenas que vir dos alunos, jovens, crianças. Essas atitudes, podem partir de nós mesmos, dos pais, dos avós, enfim. Solicitar às escolas a inclusão no ensino, de temas de sustentabilidade diária (dia-a-dia), como é proposto pela BNCC. Veja aqui alguns hábitos sustentáveis, que se pode praticar em seu lar: - Economizar água e energia elétrica; - Reduzir a utilização de plásticos; - Separar o lixo; - Valorizar os produtos e comércios locais; - Repensar preconceitos e desenvolver a tolerância; - Desenvolver maior consciência em relação ao outro.


Colunista Aplitech Foundation
Geane Neves 
Pós- graduanda em Comunicação em Redes Sociais, Universidade Anhembi Morumbi (UAM) .MBA em Jornalismo Empresarial e Assessoria de Imprensa, Universidade Estácio de Sá (UNESA). Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, Universidade São Marcos (USM). Paulista, apaixonada por informação.


Aplitech ADM

Autor

Fique de olho nas novidades.

0 comentários:

Postar um comentário